Zahar

R$ 59,90
R$ 39,90

Ficha Técnica

Lançamento: 15/3/2018
Assunto: Biografia
Tradutor: Marlene Suano
344 páginas
16x23cm
1ª edição
ISBN: 9788537817391
eISBN 9788537817483
Código: Z1996

Maria Madalena

Da Bíblia ao Código Da Vinci: companheira de Jesus, deusa, prostituta, ícone feminista
                
Assunto: Biografia

Como Maria Madalena foi reinterpretada em cada época e o que ela revela sobre a mulher, o homem e o divino

Prostituta arrependida, mulher rica, discípula e companheira de Jesus, adúltera, símbolo da fragilidade das mulheres, objeto de veneração... Quem realmente foi Maria Madalena? Personagem que extrapola os textos religiosos e a própria Igreja, ela continua sendo uma figura fascinante e misteriosa.

Seguindo Maria Madalena através dos séculos, o historiador inglês Michael Haag analisa a forma como ela tem sido reinterpretada a cada época - desde os tempos bíblicos até os dias de hoje.

O autor busca a verdadeira Maria Madalena no Novo Testamento e nos evangelhos gnósticos (textos apócrifos dos séculos II a IV), onde ela é exaltada como esposa e principal discípula de Cristo. Comparando com sensatez os dois evangelhos, ele investiga por que e de que maneira a Igreja católica preferiu representá-la como uma mulher pecadora, enquanto Maria, mãe de Jesus, foi simbolizada como a Virgem.

Avançando no tempo, Haag mostra que, no Renascimento, Maria Madalena se tornou uma deusa da beleza e do amor; e, ao final, apresenta a Madalena moderna: mulher forte e independente que se transformou em ícone feminista.

Em linguagem clara e direta, o livro aborda um tema controverso de modo sóbrio, sem buscar polêmicas fáceis - e com isso oferece ao leitor um estudo sério e cativante sobre uma das personagens mais controversas da história.

***

"Ótima leitura. Haag consegue uma clareza de pensamento e uma coesão admiráveis em seu relato, fazendo perguntas que continuam a despertar nossa curiosidade." The Times

"Uma visão excepcional de como Maria Madalena foi vista por várias culturas ao longo dos tempos, investigação perturbadora de uma incompreendida heroína da Bíblia." Kirkus Review

"Impossível parar de ler, uma narrativa cheia de pistas como os melhores thrillers. Muito bem pesquisado." Bee Wilson, autora de Como aprendemos a comer e Pense no garfo.

"Fascinante. Haag mergulha nas evidências históricas e literárias para sugerir uma interpretação do papel e da personagem de Maria Madalena que é radicalmente contrária ao discurso dominante." Mail on Sunday

Compartilhe

Imagens

"Não me toques",  Jesus diz a Maria Madalena no jardim da ressurreição, a ela que o havia tocado tantas vezes antes. Noli me tangere, de Fra Angelico, convento de São Marcos, Florença, 1442

"Não me toques", Jesus diz a Maria Madalena no jardim da ressurreição, a ela que o havia tocado tantas vezes antes. Noli me tangere, de Fra Angelico, convento de São Marcos, Florença, 1442

Maria Madalena com João Batista (que não deve ser confundido com João Evangelista), por Angelo Puccinelli, meados do século XIV. Maria Madalena pode ter sido primeiro uma seguidora de Batista, atraída pela sua mensagem de salvação, destinada tanto às mulheres quanto aos homens.

Maria Madalena com João Batista (que não deve ser confundido com João Evangelista), por Angelo Puccinelli, meados do século XIV. Maria Madalena pode ter sido primeiro uma seguidora de Batista, atraída pela sua mensagem de salvação, destinada tanto às mulheres quanto aos homens.

Esta Maria Madalena de seios nus foi recentemente identificada como uma pintura de Leonardo da Vinci, feita por volta de 1515. Os seios expostos associam-na com a deusa Vênus e também sugerem que ela está se preparando para consumar seu casamento. Ela é totalmente franca sobre sua sensualidade; seu sorriso é uma promessa, e logo os dedos vão deixar o seu manto cair completamente. Não há um pingo de pecado ou arrependimento nesta Maria Madalena.

Esta Maria Madalena de seios nus foi recentemente identificada como uma pintura de Leonardo da Vinci, feita por volta de 1515. Os seios expostos associam-na com a deusa Vênus e também sugerem que ela está se preparando para consumar seu casamento. Ela é totalmente franca sobre sua sensualidade; seu sorriso é uma promessa, e logo os dedos vão deixar o seu manto cair completamente. Não há um pingo de pecado ou arrependimento nesta Maria Madalena.

Maria Madalena na casa de Simão, o fariseu, de Dante Gabriel Rossetti. Ela está rompendo com seu amante, arrancando as rosas de seu cabelo, e está prestes a se lançar aos pés do homem que instantaneamente reconheceu como seu noivo.

Maria Madalena na casa de Simão, o fariseu, de Dante Gabriel Rossetti. Ela está rompendo com seu amante, arrancando as rosas de seu cabelo, e está prestes a se lançar aos pés do homem que instantaneamente reconheceu como seu noivo.

Maria Madalena pelo pintor francês Jules Joseph Lefebvre em 1876. A Maria Madalena nua, em êxtase e penitente, deleitando-se em sua caverna, tornou-se uma popular e aceitável pin-up religiosa.

Maria Madalena pelo pintor francês Jules Joseph Lefebvre em 1876. A Maria Madalena nua, em êxtase e penitente, deleitando-se em sua caverna, tornou-se uma popular e aceitável pin-up religiosa.

Maria Madalena dirigindo-se aos discípulos - o apóstolo aos apóstolos. Do Saltério Albani, cerca de 1100.

Maria Madalena dirigindo-se aos discípulos - o apóstolo aos apóstolos. Do Saltério Albani, cerca de 1100.

Oferecendo ostensivamente flores, mas vendendo algo mais, esta madeline, como meninas de rua eram chamadas, por causa de Maria Madalena, foi uma das 80 mil prostitutas em Londres na década de 1850. O Grande Mal Social era visto como a maior ameaça à sociedade britânica no século XIX.

Oferecendo ostensivamente flores, mas vendendo algo mais, esta madeline, como meninas de rua eram chamadas, por causa de Maria Madalena, foi uma das 80 mil prostitutas em Londres na década de 1850. O Grande Mal Social era visto como a maior ameaça à sociedade britânica no século XIX.

Uma reconstrução facial digital baseada no crânio e na mandíbula de Maria Madalena, na basílica de São Maximino, feita por especialistas brasileiros em 2015.  Essa técnica tem sido usada por forças policiais e do FBI, mas a precisão não é boa o suficiente para ser aceita como prova nos tribunais. O que levanta a questão de quem seria este crânio.

Uma reconstrução facial digital baseada no crânio e na mandíbula de Maria Madalena, na basílica de São Maximino, feita por especialistas brasileiros em 2015. Essa técnica tem sido usada por forças policiais e do FBI, mas a precisão não é boa o suficiente para ser aceita como prova nos tribunais. O que levanta a questão de quem seria este crânio.

Comentários

Comentar