Zahar

Blog da editora

Anthony Browne: A genialidade do autor-ilustrador e suas histórias

15 de Fevereiro de 2016

“Eu espero encorajar mais crianças a descobrirem e amarem a leitura, mas eu quero focar particularmente na valorização dos livros ilustrados, e na leitura das imagens e palavras. Livros ilustrados são para pessoas de qualquer idade, e não livros para serem deixados para trás conforme envelhecemos. Os melhores livros deixam uma lacuna tentadora entre as figuras e as palavras, uma lacuna que é preenchida com a imaginação do autor, o que acrescenta muito entusiasmo à experiência do livro.”

 Anthony Browne, para o site do prêmio Children’s Laureate

 

Reconhecido internacionalmente como um dos maiores autores e ilustradores de livros infantis em atividade, Anthony Browne já publicou mais de 40 livros. No Brasil, seu mais recente livro publicado é Tudo muda, que conta a história de Gregório, um menino que está com grande expectativa em relação a uma grande mudança que vai acontecer, mas que ele ainda não sabe qual é. Um dos clássicos de Browne, Tudo muda  explora com riqueza de detalhes e trocadilhos visuais a experiência da mudança a partir da perspectiva de uma criança.

Suas obras, fortemente marcadas pela narrativa em aquarelas e um realismo quase fotográfico, tem um toque fantástico e surrealista ao mesmo tempo em que trabalham com várias referências às obras de arte. Sobre seu estilo único de ilustração, Browne uma vez disse em entrevista para a EdChat TV: “Você não quer que o texto descreva o que as figuras já estão nos dizendo, e você também não quer que as ilustrações mostrem aquilo que o texto já disse. Esse é um equilíbrio interessante.” 

Os protagonistas das histórias de Browne são frequentemente crianças sensíveis e solitárias, que vivem narrativas que poderiam ser consideradas simplórias se não fosse pelo talento de Browne. Outra presença constante na obra de Browne são os gorilas: “Eu sou fascinado por eles e pelo contraste que representam – sua imensa força e gentileza. Costumamos pensar neles como criaturas violentas, mas eles não o são.” Em 2000, o autor recebeu o prêmio Hans Christian Andersen, o mais alto reconhecimento para criadores de livros infantis pelo conjunto da obra.

   

Gorila conta a história de Hannah, uma menina que tem um pai distraído e atarefado e que ganha um gorila de pelúcia, quando o que queria mesmo era um gorila de verdade. A história é inspirada na convivência de Browne com seu pai, e no fato de ter ganhado um trompete de plástico durante a infância, depois de ter pedido por um trompete de verdade.

    

Na floresta e O túnel exploram angústias infantis como o afastamento dos pais e o medo do desconhecido. Na floresta é carregado de referências aos contos de fadas: a travessia da floresta para a casa da avós, os personagens encontrados pelo menino durante o caminhos, nas ilustrações.

Em O túnel, vemos como dois irmãos muito diferentes enfrentam juntos o medo. A figura do túnel, presente nessa história, é inspirada em um túnel que Browne e seu irmão precisavam atravessar na infância, e que o autor achava intimidador.

 

Vozes no parque é um convite à empatia e para a ampliação dos nossos horizontes sobre questões como o isolamento, a amizade e a família. Um mesmo passeio é contado ao leitor por quatro vozes diferentes, oferecendo várias perspectivas e uma profundidade impressionante a uma história simples.

Categorias: Notícias